• Publicado em

    30,7% dos jovens brasileiros de 15 a 17 anos estão atrasados ou fora da escola, segundo pesquisa

    O número evoluiu em relação a 2017

    De acordo com um estudo elaborado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontou que 30,7% dos jovens brasileiros de 15 a 17 anos estão atrasados ou fora da escola. O número evoluiu em relação a 2017, quando 31,5% dos jovens nessa faixa etária estava nessa situação. Os dados fazem parte da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua).

    Em nota, Marina Aguas, responsável pelo suplemento de Educação da Pnad, informou que “aluno atrasado tem uma probabilidade maior de continuar atrasado ou acabar saindo do sistema de ensino. Acabamos colocando peso maior sobre o ensino médio, falando sobre a questão de torná-lo atrativo e a disputa no mercado de trabalho, mas, se o estudante já chega do fundamental atrasado, a chance de sair do sistema e estar desanimado com o estudo é muito maior”.

    Leia também: Exigência do inglês para as profissões do futuro pode ser crucial 

    Agora, o Plano Nacional de Educação (PNE) estabeleceu como uma de suas metas que o Brasil tenha 85% dos jovens de 15 a 17 anos matriculados no ensino médio em 2024. Atualmente, o índice é de 69,3%.

    Educação de Jovens e Adultos com bolsas de estudo

    A Educação de Jovens e Adultos (EJA) é uma opção para os estudantes atrasados na escolarização. Essa modalidade tem, atualmente, 831 mil alunos cursando o ensino fundamental e 833 mil estudantes no ensino médio.

    Os interessados em ingressar no EJA, podem contar com ajuda do Educa Mais Brasil. O programa já beneficiou mais de 1 milhão de estudantes, é possível encontrar bolsas de estudo de até 70% de desconto. Acesse o site do programa e confira as oportunidades.

     

    Playlist Jornal Das 11, assista;

    Agência Educa Mais Brasil

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
    Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
    Se você se interessou por esse artigo, ao comentar marque a opção publicar também no Facebook.