• Publicado em

    5 teorias da conspiração que se revelaram verdadeiras

    Aliens. Paul McCartney morreu. Michael Jackson está vivo. Aliens. O homem não foi à lua. Aliens. Separamos uma lista com 5 conspirações que se provaram verdadeiras. Coincidência? Você decide!

    Conspirações são parte da cultura popular há muitos anos. As mais conhecidas geralmente envolvem extraterrestres ou um plano de dominação mundial. Mas a realidade algumas vezes pode ser tão distópica quanto um livro de Júlio Verne e apresentar coisas que não apareceriam nem nas mais loucas teorias.

    Separamos uma lista com 5 conspirações que se provaram verdadeiras. Não, aliens ainda não foram confirmados. Mas podem ser os próximos.

    MKUltra

    Project-MK-ULTRA-elite-daily

    A teoria: dizia que durante a Guerra Fria, os Estados Unidos teriam pesquisado formas de controlar mentes.

    A realidade: entre 1950 e 1973, a CIA esteve por trás de um projeto que conhecido como MKUltra, com o propósito de descobrir formas de controlar pensamentos e induzir estados que pudessem ser usados em interrogatórios para forçar a vítima a confessar o que sabe.

    Entre os métodos testados pela agência, incluem-se uso de drogas como LSD e Mescalina, privação de sono, abuso sexual, tortura, privação da ingestão de comida e água por dias e choques elétricos. Os testes foram levados a cabo em prisões, universidades e hospitais de maneira clandestina.

    Os arquivos só seriam abertos ao público em 1977 mas, como grande parte havia sido destruída em 1973, vários experimentos do MKUltra nunca vieram a público e muito tem se especulado sobre o que mais pode ter acontecido durante os anos em que o projeto esteve em andamento.

    CIA financiava traficantes

    Screen Shot 2012-06-07 at 11.08.43 AM

    A teoria: a CIA financiou traficantes e chegou a auxiliar no tráfico de drogas dentro dos Estados Unidos.

    A realidade: por volta de 1980, a CIA esteve por trás do comércio de cocaína em algumas regiões do México. As denúncias foram feitas principalmente por Celerino Castillo, um agente da DEA (Divisão de Narcóticos).

    Segundo as denúncias, a CIA facilitou a entrada de drogas e o tráfico de cocaína nos Estados Unidos como forma de levantar fundos para financiar a atuação do Contras, uma milícia envolvida na Guerra da Nicarágua e apoiada pelo então presidente, Ronald Reagan. Ironicamente, Reagan foi um dos presidentes que mais levou a cabo a bandeira da Guerra às Drogas durante seu mandato.

    O governo norte-americano espionava outros governos

    edward-snowden-is-both-a-patriot-and-a-traitor

    A teoria: as agências do governo dos Estados Unidos estariam supostamente grampeando telefones e a internet ao redor do mundo.

    A realidade: pouco conhecida até 1982, a NSA recentemente esteve envolvida num escândalo mundial sobre monitoramento de governos e empresas após o vazamento de informações sigilosas pelo seu ex-funcionário, Edward Snowden, em 2013.

    Antes das provas apresentadas por Snowden, a espionagem em nível internacional por alguma agência do governo norte-americano era tida como uma simples conspiração pouco fundamentada.

    Mas, com a abertura dos arquivos, ficou provada a existência de um programa de espionagem que atingiu até o governo brasileiro. As revelações criaram uma preocupação generalizada com segurança e rapidamente, soluções anti-espionagem virtual começaram a ser comercializadas em todo mundo. Fabricantes de softwares também começaram a implementar medidas de segurança mais sofisticadas. Tais medidas, no entanto, não barram a espionagem por hardware, a qual também foi delatada por Snowden.

    FBI modificava bebidas alcoólicas adicionando aditivos tóxicos

    19

    A teoria: durante a lei seca da década de 1920, nos Estados Unidos, o FBI estaria supostamente envolvido numa modificação da composição química do álcool produzido no país, com o intuito de matar os cidadãos que burlassem a lei.

    A realidade: após mais de 1.200 pessoas adoecerem e 400 morrerem em decorrência do consumo de bebidas alcoólicas, o médico Charles Norris decidiu investigar e descobriu que diversas bebidas vendidas ilegalmente continham querosene, gasolina, benzeno, mercúrio, acetona e até mesmo o metanol, um álcool altamente tóxico com cheiro e sabor muito similares ao etanol.

    Com a intenção de amedrontar as pessoas sobre como o álcool era perigoso, o governo começou a manipular o álcool industrial com pequenos desnaturantes pouco tóxicos. Os traficantes de álcool (sim, isso existiu) perceberam a armadilha do governo e contrataram químicos para redestilarem as bebidas, tornando-as inofensivas – ou talvez não tão inofensivas assim – novamente.

    Como resposta, as agências governamentais começaram a contratar químicos para formularem compostos ainda mais letais e mais difíceis de serem separados do álcool. A decisão de desnaturar o álcool com componentes tóxicos levou à morte de pelo menos 10 mil pessoas até ser revogada, junto com a lei seca, em 1933.

    A CIA controlava a imprensa

    the-intercept.si

    A teoria: a CIA – sempre ela – estaria manipulando a mídia com jornalistas infiltrados durante a Guerra Fria.

    A realidade: conhecida como Operação Mockingbird, a CIA conduziu na década 1950 e 1960 um projeto de contratação de jornalistas para infiltrarem os maiores meios de comunicação e espalharem notícias com um viés pró-governo.

    Os jornalistas serviram como linha auxiliar do governo, limpando os abusos e polêmicas em torno de operações, como a invasão da Guatemala em 1954. Pouco se sabe sobre a verdadeira atuação e o número exato de jornalistas contratados pela CIA, com estimativas que variam entre 400 e 3 mil. Os agentes foram responsáveis por notícias publicadas em pelo menos 22 grandes jornais da época, como o Newsweek, New York Times, Washington Post, Time e CBS News.

    Alguns conspiradores afirmam que projetos similares estão em curso até hoje, infiltrando inclusive jornais de outros países, algo que talvez se confirme com o passar dos anos. Ou não.

    Fonte/Spotniks

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
    Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
    Se você se interessou por esse artigo, ao comentar marque a opção publicar também no Facebook.