• Publicado em

    Caso Emanuelle: suspeito de assassinar criança é encontrado morto na prisão

    Aguinaldo Guilherme Assunção, 49 anos, estava com um lençol enrolado no corpo

    O suspeito de matar a facadas a menina Emanuelle Pestana de Castro, de 8 anos, no interior de São Paulo, foi encontrado morto dentro da cela onde estava preso, nesta quarta-feira (15). Aguinaldo Guilherme Assunção, 49 anos, estava com um lençol enrolado no corpo.

    Ele foi encontrado morto quando um funcionário fazia a contagem dos presos. Aguinaldo estava sozinho na cela.

    À polícia, Aguinaldo afirmou que matou a criança como uma vingança contra a mãe dela, já que a mulher não deixava Emanuelle brincar com o enteado dele. Emanuelle foi encontrada morta depois de desaparecer enquanto brincava em uma praça em Chavantes (SP), na sexta-feira (10).

    Crime
    O corpo dela foi encontrado na noite desta segunda-feira (13), por volta das 23h, em uma área de mata na Fazenda Santana Nova. A perícia identificou marcas de faca pelo corpo, uma nas costas e três no peito. Agnaldo foi preso e levado para a cadeia.

    O corpo de Emanuelle foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML). Exame de corpo de delito deve apontar a causa da morte e se houve abuso sexual.

    Câmeras de segurança
    A polícia levantou imagens do circuito de monitoramento ao redor da praça onde Emanuelle brincava quando desapareceu e verificou que o suspeito aparecia duas vezes no vídeo. O que chamou a atenção da polícia é que, no mesmo dia, ele aparece cada vez com uma roupa diferente.

    Após ser identificado, Agnaldo Guilherme Assunção foi interrogado nesta segunda-feira e havia negado saber de qualquer informação sobre o desaparecimento da criança. Contudo, acabou confessando à polícia o crime. Ele foi preso em flagrante e deve ser indiciado por homicídio qualificado e ocultação de cadáver.

    Imagens de câmeras de segurança divulgadas nesta segunda-feira mostram o momento em que Emanuelle vai na direção da praça onde sumiu, no bairro Cohab.

    Logo após brincar em um parquinho, a menina não foi mais vista por volta das 17h, quando a amiga que a acompanhava foi embora. Segundo a família, a mãe ia verificar como a filha estava no local, mas não encontrou.

    Desde então, familiares, vizinhos, policiais, cachorros e até uma equipe de voluntários de Marília se mobilizaram nas buscas pela criança.

    Fonte/Correio 24 horas

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
    Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
    Se você se interessou por esse artigo, ao comentar marque a opção publicar também no Facebook.