• Publicado em

    Dia dos Pais: o que muda na vida do homem ao se tornar pai?

    Especialista explica como funciona o relógio biológico masculino em relação à paternidade

     

    De acordo com um estudo realizado na Austrália, entre a quarta e a sexta semana após o homem receber a notícia que vai ter um filho ele passa pelo ápice de suas preocupações. O homem passa por transformações físicas e psicológicas, e é despertado uma maior produção de ocitocina em seu organismo, o “hormônio do amor”, que fortalece o vínculo entre o pai e o bebê.

    Segundo Sônia Eustáquia, psicóloga e sexóloga, o homem tem um chamado para ser pai ligado a racionalidade e a condição de formar uma família como um símbolo de conquista. “Do ponto de vista fisiológico, todo rapaz aos 20 anos está preparado para ser pai. De forma racional, os jovens preferem se preparar melhor para essa condição “, concluiu.

    A gravidez e o nascimento

    Após a chegada da criança, a preocupação do pai gira em torno da relação entre o casal, o trabalho e o sexo. A especialista fala que em muitos casos, pai e mãe passam a viver para criança e deixam de lado o papel de homem e mulher. ”Uma dica é que os homens insistam para manter a atividade sexual, uma vez que para eles isso é mais fácil, simplesmente porque a gravidez e o parto acontecem especificamente no corpo da mulher”, afirmou.

    Leia também: Projeto de Lei quer garantir que salário mínimo chegue a R$1.040 em 2020

    É muito importante que o pai participe do período da gravidez. Segundo Sônia Eustáquia, em nossa cultura ainda existe a ideia de que os homens não devem se envolver muito com a gestação. “É importante apoiar a mulher nesse momento em que ela tende a estar mais sensível e passando por desconfortos físicos, tensões emocionais advindas dos desafios da gestação aliados às outras demandas da vida”, acrescentou.

    Antes de ter filhos

    Além disso, é necessário que o homem reflita antes de pensar na possibilidade de ter filhos. Quando os seus sentimentos dizem mais sobre si mesmo do que sobre uma criança, talvez um filho não seja necessariamente a resposta. “Não dá para fazer tudo junto; os inúmeros encontros com os amigos de futebol e cerveja e cuidar de crianças, é importante lembrar que terá que conciliar. Isso significa abrir mão pelo menos da metade desse tempo com a diversão”, afirmou a especialista.

    Ela ainda recomenda que o casal aproveite o momento antes de ter um filho para dar prioridade em outros objetivos. ”Caso o casal tenha muitas coisas a fazer, como viajar, reformar a casa ou começar um negócio juntos, espere um pouco até o clima de o relacionamento ficar mais sossegado”, complementou.

    Fonte: Sônia Eustáquia da Fonseca, psicóloga clínica, psicanalista e sexóloga (www.soniaeustaquia.com.br).

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
    Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
    Se você se interessou por esse artigo, ao comentar marque a opção publicar também no Facebook.