• Publicado em

    Dois corpos de funcionários de usina são encontrados carbonizados em canavial em Goiás

    Segundo a Polícia Civil, eles tinham ido colocar fogo na plantação e se queimaram. Outro colaborador da usina achou os colegas mortos.

    Dois funcionários de uma usina foram encontrados mortos, na madrugada desta quinta-feira (6), em um canavial na zona rural de Itaberaí, na região central de Goiás. Segundo a Polícia Civil, Fernando José Gonçalves, de 42 anos, e Divino Valdeci Soares, de 55, tinham ido ao local para colocar fogo na plantação e se queimaram.

    Em nota, a Anicuns S/A disse lamentar o ocorrido. “Estamos todos abatidos e solidários com a dor dos familiares de nossos dois colaboradores que perderam a vida neste acidente e informamos que empresa prestará toda assistência às famílias.”

    “Neste momento, a empresa já está tomando todas providências para identificar as possíveis causas que levaram à esta fatalidade. Qualquer outra informação relevante, comunicaremos imediatamente”, termina a nota. Com informações do Mapa da Notícia.

    A delegada responsável pelo caso, Josy Alves Sousa Guimarães, explicou que os corpos estão totalmente carbonizados. No entanto, a identificação foi possível devido ao cadastro da empresa.

    De acordo com Josy, os funcionários saíram na noite de quarta-feira (6) para realizar o trabalho. Outro funcionário localizou os colegas ao buscá-los, nesta madrugada, após o fogo ter sido apagado.

    “A priori, a gente considera acidente de trabalho. Ao que foi levantado, são bons funcionários, não tem antecedentes, não havia motivos para um homicídio”, afirmou Josy.

    A delegada apura a conduta da empresa e a atividade exercida pelas vítimas. “Vamos analisar se eles deram treinamento, se os cuidados foram seguidos, se poderia haver a queimada naquele local, se a atividade era legalizada perante o Ministério do Trabalhado”, descreveu.

    A Polícia Técnico Científica periciou o local do incêndio. Os servidores levaram os corpos de Fernando e Divino para o Instituto Médico Legal (IML) da cidade de Goiás. Segundo os peritos, caso não seja possível fazer a identificação na unidade, eles serão levados para o instituto da capital.

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
    Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
    Se você se interessou por esse artigo, ao comentar marque a opção publicar também no Facebook.