• Publicado em

    Dois homens são presos suspeitos de matar médico do Exército em Goiás

    Crime ocorreu no feriado do último dia 12 de outubro e o corpo da vítima foi encontrado em uma estrada vicinal na região da Chapada dos Veadeiros.

    Dois homens, um de 26 anos e outro de 23, foram presos na tarde desta terça-feira (31) suspeitos de terem matado o médico do Exército Brasileiro, Gabriel Costa Lima, de 28 anos. O crime aconteceu no último dia 13 de outubro e seu corpo foi encontrado em uma estrada vicinal na região da Chapada dos Veadeiros, em Alto Paraíso de Goiás.

    Devido as investigações estarem em curso, a delegada à frente do caso, Maria Isabel Pires Ramalho, se limitou em passar detalhes para não atrapalhar o andamento do caso. Os dois estão presos no presídio da cidade e foram detidos por meio de uma operação batizada como “Excutiat” – desentocar, em português.

    Segundo ela, os depoimentos dos suspeitos ainda não foram colhidos. Uma das linhas de investigações trabalhada pela polícia é de latrocínio e não é descartada possíveis participações de mais pessoas no crime. “Apesar disso, tudo ainda está sendo apurado por meio de mais provas colhidas com o decorrer das investigações”, conta.

    Crime

    Gabriel era natural de Augustinópolis (TO), era tenente do Exército e atuava como médico-residente na Escola de Saúde, sediada no Rio de Janeiro (RJ). Ele passava o feriado do dia 12 de outubro em Alto Paraíso. Ele foi encontrado morto na madrugada do dia 13 de outubro em uma estrada de terra na região da Cachoeira dos Cristais, onde estaria acontecendo uma festa na noite anterior.

    O corpo foi localizado por volta das 5 horas da manhã por frequentadores da festa. A vítima estava com perfurações causadas por um revólver calibre 32 na nuca, costas, costelas e bochecha e só foi identificado por meio de reconhecimento da biometria e do documento que portava. Com informações do Mais Goiás

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
    Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
    Se você se interessou por esse artigo, ao comentar marque a opção publicar também no Facebook.