• Publicado em

    Em continuidade ao projeto Educação de Valores, promotora fala sobre ética com alunos em Rio Verde

    A promotora de Justiça Renata Dantas de Morais e Macedo, titular da 4ª Promotoria de Justiça de Rio Verde, deu continuidade ao projeto Educação de Valores, com a realização da segunda etapa da iniciativa. Nesta fase, a promotora visitou as 12 escolas selecionadas no projeto, no segundo encontro com alunos, desta vez para abordar o tema “Ética na Escola e nas Relações Interpessoais”.

    O projeto busca a promoção da igualdade, cidadania e respeito à diferença na formação ética dos indivíduos. A proposta do trabalho foi premiada pelo Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) com o Selo Pro-Integro 2018, sendo reconhecido como projeto efetivo no combate primário à corrupção.

    Na primeira fase, a promotora visitou as escolas trabalhando o tema “empatia, solidariedade e respeito às diferenças”. Na sequência, os alunos foram desafiados a apresentar uma ação de ajuda a alguém. Neste segundo encontro, o desafio proposto será o de criar um código de ética da sala de aula. Para a terceira etapa do projeto, a promotora voltará às escolas para falar com os alunos sobre Corrupção.

    Participam do projeto 12 unidades escolares e mais de 30 turmas de alunos, todas do 6º ano no ensino fundamental, na faixa etária entre 10 e 12 anos: Colégio Estadual Olynto Pereira de Castro (3 turmas), Escola Municipal de Ensino Fundamental Domingos Moni (4 turmas), Colégio Estadual Miltes Furquim de Oliveira (5 turmas), Colégio Estadual Manoel Ayres (3 turmas), Colégio Estadual de Tempo Integral Maria Ribeiro Carneiro (3 turmas), Escola Municipal Rural Vale do Rio Doce (2 turmas), Escola Municipal prof. Luiz Alberto Leão (3 turmas), Escola Municipal prof. Clovis Leão de Almeida (7 turmas), Colégio Estadual João Velloso do Carmo (2 turmas), Escola Municipal Rural São José do Pontal (1 turma), Colégio Estadual Ismael Martins Vieira (3 turmas) e Colégio Estadual da Polícia Militar do Estado de Goiás (4 turmas).

    Formação cívica
    Conforme ponderou a promotora, é fundamental que os alunos compreendam e vivenciem valores como ética, empatia e respeito às diferenças, para entenderem que atos de corrupção, apesar de aparentemente vantajosos, afetam estes valores cívicos. Para finalizar a programação do projeto, a terceira etapa acontecerá em novembro, momento em que será trabalhado o tema: “Compreensão da Corrupção e seus Reflexos (honestidade – oportunidade – facilidade)”. Além disso, os professores de cada disciplina recebem material para que as temáticas trabalhadas possam ser reforçadas continuamente durante as aulas.

    Renata Dantas acrescenta ainda que o projeto tem como proposta trabalhar com crianças de 10 a 12 anos e que estejam frequentando regularmente o 6º ano da segunda fase do ensino fundamental, pois é a partir do 6º ano que se inicia a análise mais crítica no processo educacional, abandonando-se a abordagem lúdica e generalista, para se partir para uma análise mais crítica e abstrata, em todas as disciplinas abordadas. (Texto: Cristina Rosa  / Assessoria de Comunicação Social do MP-GO – Fotos: 4ª PJ de Rio Verde )
    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
    Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
    Se você se interessou por esse artigo, ao comentar marque a opção publicar também no Facebook.