• Publicado em

    Em vídeo, amigo de médico goiano morto diz que era pago para protegê-lo

    Em outro momento, o policial reformado Ringre Pires negou a informação aos PMs, assim como que tenha apontado arma para viatura

    Um vídeo que circula em grupos de WhatsApp mostra o momento da abordagem da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), após o médico goiano o endocrinologista Luiz Augusto Rodrigues, 45 anos, levar um tiro na cabeça e morrer na 315 Sul, na madrugada de quinta-feira (28/11/2019).

    As imagens registraram o amigo dele, o policial reformado Ringre Pires, pedindo desculpas e dizendo que estava protegendo o médico, que era amigo dele.

    Leia também: Black Friday Educação: descontos continuam até segunda-feira (02)

    Visivelmente embriagado, o policial aposentado pede perdão e confirma que recebia dinheiro para fazer escolta do médico.

    “Entre nós aqui, eu tomei uma e eu estava protegendo ele. O doutor Luiz, ele me paga para proteger ele. Me desculpa. Perdão, então”, disse o sargento, ao ser perguntado por que apontou a arma para a viatura.

    Depois, ele questiona se os policiais estão filmando a ação e afirma: “Cara, não, vocês estão filmando? Eu não apontei arma para a viatura. Cara, vocês estão querendo queimar a gente, né?”, falou o sargento.

    Assista ao vídeo na íntegra:

    Contradição

    Segundos depois, ele volta atrás sobre ser pago pelo médico para fazer a segurança. “Ele não me paga não. É meu amigo. Vê como é que ele está”. Após esse momento, o homem para de ser filmado e o vídeo termina.

    De acordo com o advogado do policial reformado, o cliente admite, porém, que encostou arma contra o peito após ver “um carro em atitude suspeita”. Ele também fala que o cliente relatou que havia bebido cerveja e uísque.

    “Ele nega terminantemente isso. Por que um policial, sargento reformado, com mais de 30 anos de experiência, apontaria a arma para os próprios colegas de farda? Não tem motivo. Ele não estava ali praticando nenhum crime, não tinha por que fazer isso”, afirma Pedro Júlio Melo Coelho.

    O tiro que atingiu Luiz Augusto saiu de uma carabina Imbel, calibre 5.56. Acionado, o Corpo de Bombeiros constatou a morte no local. O médico foi enterrado na manhã desta sexta-feira (29/11/2019), em Ceres (Goiás).

    Afastado

    O soldado que disparou o tiro que acertou o médico foi afastado das ruas. Ele se apresentou na 1ª DP (Asa Sul) e, por isso, acabou não sendo preso em flagrante.

    Por meio de nota, a Polícia Militar afirmou que o tiro foi dado “diante do risco iminente”. Afirmou ainda que “os policiais não tiveram alternativa e efetuaram dois disparos, que atingiram um dos homens”.

    A Secretaria de Segurança Pública diz que apura o caso. “Só após as conclusões, o GDF irá se manifestar”, destacou a pasta.

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
    Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
    Se você se interessou por esse artigo, ao comentar marque a opção publicar também no Facebook.