• Publicado em

    Equipes das Polícias Civil e PM de Jataí realizam prisão em flagrante de mulheres pela prática de estelionato

    As mulheres tentaram aplicar o golpe no Hospital Padre Tiago em Jataí.

    De acordo informações divulgadas pela 14ª DRPM, no início da noite desta sexta-feira (27), mais uma vez em ação conjunta, equipes das Polícias Civil e Militar de Jataí-GO realizaram a prisão de duas mulheres pela prática do crime de Estelionato.

    Diligências preliminares indicaram que duas amigas compareceram no Hospital Padre Tiago, em Jataí-GO, oportunidade em que uma delas se apresentou para consulta médica, sendo acompanhada por uma amiga. Já no consultório, uma delas, efetivamente com problemas renais, se apresentou com a identidade da amiga que possuía plano de saúde. Diante da consulta, foi constatada a necessidade de imediato procedimento cirúrgico, novamente tendo ambas trocado de identidade para a assinatura dos protocolos e documentos relacionados à cirurgia. Nova troca de identidades, a mulher doente foi submetida à cirurgia e após o seu encaminhamento a um dos apartamentos do hospital uma das enfermeiras reconheceu uma delas, constatando assim a incongruência entre a ficha médica e a efetiva paciente.

    Após as suspeitas de fraude, uma equipe da Polícia Militar chegou ao hospital, logo sendo apoiada por equipes da Polícia Civil, sendo assim confirmada a troca de identidades pelas referidas amigas, o que indevidamente possibilitou a realização de uma cirurgia de cerca de 10 mil reais.

    Documentos foram apreendidos no local, sendo dada voz de prisão as duas mulheres, ficando a paciente sob escolta da Polícia Civil no hospital até alta médica ocorrida na manhã de hoje, enquanto a outra foi encaminhada pelos policiais militares e civis a 14a DRP.

    Segundo o Delegado Marlon Souza Luz (GEPATRI/GENARC) que coordenou as diligências, ficou nítido que a mulher possuidora do plano de saúde agiu em solidariedade a amiga, porém causando prejuízos e  induzindo a erro terceiros, ou seja, hospital, plano e ao corpo clínico e administrativo da unidade hospitalar, o que de certa forma é reprovável e deve ser combatido.

    Repórter Mari JTI

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
    Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
    Se você se interessou por esse artigo, ao comentar marque a opção publicar também no Facebook.