• Publicado em

    Estudantes temem perder vagas nas universidades após inconsistências no Enem 2019

    Confira o histórico de curiosidades e polêmicas envolvendo o exame.

    Com a inconsistência gerada na correção dos gabaritos do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), participantes demonstram preocupações com as notas e a possibilidade de que os erros afetem o ingresso na graduação.

    Após a polêmica e uma série de reclamações geradas nas redes sociais, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Anísio Teixeira (Inep) reconheceu a falha e afirmou que as irregularidades foram verificadas nos dois dias de aplicação das provas, 3 e 10 de novembro de 2019.

    No entanto, em virtude das inconsistências, estudantes continuam apreensivos e, mesmo com a autorização do Superior Tribunal de Justiça (STJ) para a divulgação do resultado do SISU, na terça-feira (28), alguns inscritos temem ser prejudicados.

    A estudante Ana Caroline, 17, fez o Enem pela primeira vez no ano passado. Na tentativa de conquistar uma vaga para o curso de Ciências Biológicas, acessou o resultado com insegurança. “Independentemente de terem autorizado a divulgação das notas eu não consigo acreditar que as provas de milhares de pessoas foram corrigidas. O prazo foi curto e ninguém tem garantia da segurança desse sistema”, desabafa a estudante.

    Assim como Ana, milhares de estudantes continuam na expectativa pelos programas do governo. Mas para quem deseja garantir uma vaga e iniciar o ensino superior, ainda neste ano, há possibilidade de contar o apoio do Educa Mais Brasil, que disponibiliza bolsas de estudo em todo o país, com descontos que podem chegar a 70%. Tudo isso sem precisar da nota do Enem. Basta acessar o site e fazer a inscrição.

    Erros no Enem

    As falhas na aplicação das provas do Enem não são inéditas. Seja durante a divulgação dos resultados ou posterior, o Exame Nacional do Ensino Médio tem um histórico de polêmicas desde a sua criação.

    1998 – Criação do Enem

    O Exame foi criado na gestão de Paulo Renato Souza, estando à frente Ministério da Educação, no governo de Fernando Henrique Cardoso.

    1999

    As Instituições de ensino superior começaram a utilizar o Enem como forma de ingresso ao nível superior.

    2000

    Neste ano, o processo passou a ofertar provas em braile e também a opção ampliada, com o auxílio de leitores.

    2001

    Marcou o início da política de inscrição gratuita para concluintes do ensino médio no ano da edição.

    2004

    Os resultados passaram a ser utilizados como critério para inscrição no Prouni.

    2005 – Popularização do Enem

    Com a adesão do Prouni, o Enem registrou uma marca história de inscritos em 2005: 3 milhões de inscrições e 2,2 milhões de participantes.

    2009

    Ocorreu um furto do caderno de questões dentro da gráfica responsável pela impressão e o grupo de acusados tentou vendê-lo para veículos de comunicação. Também nesse ano o exame começou a ser aplicado para pessoas privadas de liberdade (Enem PPL).

    2010

    Dados pessoais de participantes das edições de 2007, 2008 e 2009 do Enem vazaram e ficaram disponíveis na internet.

    2011

    Nesse ano, mais de mil estudantes do Rio de Janeiro descobriram que o local da prova indicada no cartão de confirmação estava incorreto, causando transtornos aos inscritos.

    2012

    Em 2012, cerca de 129 redações do Enem 2011 tiveram “erro material” na sua correção e parte delas teve sua pontuação alterada.

    2013

    A nota do Enem passou a ser utilizada na concessão de bolsas de estudos do programa Ciência sem Fronteiras.

    2014

    Foi assinado um acordo interinstitucional com uma Instituição de Educação Superior Portuguesa, a Universidade de Coimbra, como forma de ingresso dos estudantes através das notas obtidas.

    2015

    Início da política de atendimento por nome social.

    2016

    Estreia da coleta de dado biométrico e o uso de detectores de metal na entrada e saída dos banheiros.

    2017

    Após Consulta Pública, o exame passou a ser aplicado em dois domingos consecutivos, evitando o “confinamento” de participantes que “guardam o sábado” por motivos religiosos.

    2018

    Foi implantada a etapa de justificativa de ausência e solicitação de isenção em período anterior à inscrição.

    Fonte: Agência Educa Mais Brasil
    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
    Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
    Se você se interessou por esse artigo, ao comentar marque a opção publicar também no Facebook.