• Publicado em

    Filho de Bombeiro é assassinado durante assalto perto de casa no DF

    O crime ocorreu em Ceilândia nesta terça-feira (13/11).

    Um adolescente foi assassinado na QNO 18, de Ceilândia. Segundo a Polícia Civil, o crime, ocorrido na tarde desta terça-feira (13/11), é investigado como latrocínio (roubo seguido de morte).

    A vítima tem 16 anos e é filho de um de militar do Corpo de Bombeiros. A Polícia Militar confirmou o óbito e disse que o jovem estava próximo de casa e levou um tiro. A PCDF informou que o suspeito é conhecido na área como “Galego”.

    Testemunhas contaram para a Polícia Civil que o menino chegava em casa quando foi abordado pelo acusado, que estava de bicicleta. Elas não souberam dizer o que houve, mas, de repente, ouviram um tiro.

    Galego fugiu em direção às QNR’s. A vítima veio a óbito no local. O criminoso levou o aparelho celular do adolescente.

    A quadra onde ocorreu o latrocínio é a mesma onde Maria Eduarda Rodrigues de Amorim, 5 anos, foi assassinada em maio deste ano. O alvo dos disparos, segundo os familiares, seria um irmão da vítima, mas não o que foi baleado. De acordo com vizinhos, tiroteios são comuns na região.

    Maria Eduarda levou três tiros – na cabeça, no tórax e na nádega. Ao ser atingida, caiu no corredor da casa. Foi levada por parentes ao Hospital Regional de Ceilândia (HRC), mas chegou à unidade de saúde sem os sinais vitais.

    A menina, que ia completar seis anos em agosto, morava com a família nos fundos da casa da avó, na QNO 18, Conjunto 36, em Ceilândia. O irmão, Marcos Rodrigues de Amorim, 19, entrava no quintal na noite de segunda quando dois homens chegaram em um Voyage preto e fizeram vários disparos.

    Foi a segunda morte na região, que é marcada por guerra de gangues, em menos de 24 horas. Por volta das 21h30 do dia 20 de maio, um adolescente de 17 anos foi morto a tiros na frente da irmã, de 12, em uma parada de ônibus na QNO 17. A vítima não possuía passagens pela polícia e teria morrido, conforme dados preliminares dos investigadores, em razão de uma guerra entre gangues na área.

    Fonte/Metrópoles

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
    Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
    Se você se interessou por esse artigo, ao comentar marque a opção publicar também no Facebook.