• Publicado em

    Filho e neto escondem cadáver de idoso no quintal de casa para continuar recebendo pensão

    Neto confessou que ajudou pai a matar outro jovem, queimar o corpo e enterrar no quintal

    Um caso chamou a atenção dos moradores do município de Arataca, localizado a 500 km de Salvador. O filho e o neto esconderam o corpo de um idoso no quintal da casa.

    De acordo com informações da delegada Maria Lúcia Pereira, da delegacia de São José da Vitória, que investiga o caso, um outro filho do idoso foi visitar a família e, ao chegar à casa, percebeu que o pai não estava. Ao perguntar pela vítima, o coveiro Valdemir de Olindo Santos disse que o homem havia viajado em uma excursão religiosa. O filho desconfiou e registrou queixa na polícia que, ao chegar à casa,  encontrou o corpo do idoso enterrado no quintal.

    Santos disse que a vítima estava doente e, após morrer, ele e o filho enterraram o corpo para continuar recebendo a pensão do idoso. Ainda de acordo com informações da delegacia, o neto da vítima confessou ter assassinado um homem há dois anos com golpes de barra de ferro e, com a ajuda do pai, enterrou o corpo também no quintal da casa.

    — O jovem confessou a participação no assassinato de um rapaz, que inclusive estava desaparecido. Eles mataram o homem com golpes de ferro e depois enterraram o corpo no quintal da casa. Como o cadáver começou a exalar um cheiro ruim, eles queimaram o corpo para que os vizinhos não sentissem o cheiro.

    Ainda de acordo com informações da delegada, os dois suspeitos tiveram a prisão preventiva decretada por ocultação de cadáver e por homicídio admitido pelo jovem de 22 anos.

    Somente após a realização dos exames periciais a polícia vai confirmar se os suspeitos foram responsáveis pelo assassinato do idoso, ou se a vítima morreu de causas naturais. A Polícia Civil está investigando o caso.

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
    Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
    Se você se interessou por esse artigo, ao comentar marque a opção publicar também no Facebook.