• Publicado em

    Funcionária do MEC que estava desaparecida é encontrada morta e detalhes são revelados

    Foi encontrada morta na noite desta segunda-feira (26), a advogada Letícia Sousa Curado Melo, de 26 anos de idade. Ela foi localizada pela Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) próxima à rodovia DF-250, que fica na região do Vale do Amanhecer, em Planaltina.

    Melo é funcionária do Ministério de Educação (MEC), e mora na região em que foi localizada. Ela estava desaparecida desde a última sexta-feira (23), quando foi trabalhar. Marinésio dos Santos Olinto é o suspeito do assassinato, está preso e confessou o crime.

    Leia também: Edital premiará jornalistas e estudantes de jornalismo

    Marinésio dos Santos Olinto é o suspeito do assassinato

    O suspeito revelou detalhes do assassinato. Segundo sua declaração, ele matou a advogada porque esta se negou a ter relações sexuais com ele. O homem foi com os policiais até onde estava o corpo e contou que a matou enforcada.

    O corpo de Melo foi localizada em torno das 14h. Segundo informações da Polícia, Marinésio informou que ofereceu uma carona para ela na sexta-feira. A vítima tinha saído de sua casa em direção ao trabalho. Enquanto estava esperando pelo ônibus, Marinésio ofereceu carona com sua caminhonete.

    De acordo com o suspeito, no meio do caminho, ele a assediou, porém, ela rejeitou todos os seus avanços, ficando bastante assustada. Foi neste momento que ele disse que a enforcou, mas relata que não cometeu estupro contra a vítima.

    O corpo de Letícia Sousa Curado Melo foi encontrado usando um vestido e dentro de uma manilha. Agora, será feito um laudo cadavérico para apontar se teve ou não abuso sexual contra ela. O suspeito foi preso ainda no domingo (25), quando vídeos mostraram a advogada entrando em seu carro, onde foram encontrados pertences dela. Marinésio não tem antecedentes criminais. Via 1 News

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
    Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
    Se você se interessou por esse artigo, ao comentar marque a opção publicar também no Facebook.