• Publicado em

    Homem é preso suspeito de estuprar a filha adolescente durante seis anos, em Valparaíso de Goiás

    Caso foi descoberto após vítima contar sobre os abusos para a mãe, que denunciou à Polícia Civil. Em depoimento, o detido negou os fatos.

    Um pedreiro de 38 anos foi preso suspeito de estuprar a filha, de 15 anos, durante seis anos, em Valparaíso de Goiás, no Entorno do Distrito Federal. O caso foi descoberto após a vítima contar dos abusos para a mãe, que denunciou o crime à Polícia Civil. Em depoimento, o detido negou os fatos. Informações do site G1.

    Segundo a polícia, os abusos aconteceram entre 2010 e 2017. “No início, ele apenas passava a mão pelo corpo dela, eram atos libidinosos. Porém, quando ela fez 11 anos, houve a primeira conjunção carnal. Não eram abusos regulares, eram esporádicos, mas perduraram todo esse tempo”, disse a delegada Isis Santana Leal, responsável pelo caso.

    O nome do suspeito não foi divulgado pela polícia para proteger a vítima. Segundo a delegada, o homem estava acompanhado de um advogado no momento da prisão, mas ela não soube informar o nome do defensor.

    O caso só foi denunciado há dois meses, quando a adolescente teve coragem de contar o caso para a mãe. “A mãe já tinha se separado do marido em novembro do ano passado, mas por outros motivos. A menina durante muito tempo andava triste, chegou até a falar para uma amiga que queria cometer suicídio. No início desse ano, então, ela falou sobre o estupros e a mãe nos procurou”, disse.

    O homem foi preso na sexta-feira (10). Na delegacia, negou o crime e disse à delegada que as acusações foram inventadas pela ex-mulher como uma forma de represália por ele já estar em um outro relacionamento.

    Exames comprovaram que a adolescente teve relações sexuais antigas e não há registro de que ela tenha tido nenhum namorado. Ele está respondendo pelos crimes de estupro de vulnerável, cometidos quando ela ainda era menor de 14 anos, e por estupro, devido aos crimes depois que ela fez 14 anos.

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
    Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
    Se você se interessou por esse artigo, ao comentar marque a opção publicar também no Facebook.