• Publicado em

    Homem que assassinou mãe confessa: “Matei com a picareta”

    Segundo a Polícia Civil do DF, Sidevan dos Santos confessou o feminicídio a um primo. Suspeito sofre de problemas mentais

    De acordo matéria do Portal Metrópoles, acusado de matar a própria mãe brutalmente, a golpes de picareta, na casa onde moravam, em Taguatinga no DF, Sidevan dos Santos Vasconcelos, 37 , se dirigiu à residência de um primo e confessou o crime. Ao parente, o suspeito teria dito: “Liga para o IML [Instituto de Medicina Legal] e pede para recolher o corpo da minha mãe. Matei ela com uma picareta”. As informações são da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF).

    O crime ocorreu na manhã desta terça-feira (20/08/2019), na QNL 28 da cidade. De acordo com o delegado da 12ª Delegacia de Polícia (Taguatinga Centro), Josué Ribeiro, o agressor sofre de distúrbios psiquiátricos e não resistiu à prisão. A vítima é Iran Francisca de Vasconcelos (foto em destaque), de 68 anos.

    Segundo Ribeiro, após ter ouvido a confissão, o primo de Sidevan observou as manchas de sangue no corpo do agressor e acionou a Polícia Militar (PMDF). O suspeito foi localizado e preso em flagrante pela corporação, enquanto caminhava em local próximo à cena do crime.

     Leia também: Enem Portugal recebe adesão de mais quatro universidades

    Ao Metrópoles, o delegado afirmou que o agressor tem histórico de internações e fugas do Hospital Pronto Atendimento Psiquiátrico (Hpap). Após ser preso, o homem chegou à unidade policial ensanguentado e entoando o Hino Nacional.

    “Sendo inimputável por doença mental ou não, meu papel é prendê-lo”, frisou o delegado. A mulher já teria registrado ocorrências contra o filho ao longo do ano, por ele ter o hábito de fugir da unidade de internação e ir à sua casa.

    A PCDF, agora, tenta localizar a arma utilizada no crime. Este é o 17º caso de feminicídio na capital do país em 2019.

     

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
    Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
    Se você se interessou por esse artigo, ao comentar marque a opção publicar também no Facebook.