• Publicado em

    Investigado por armazenar vídeos de pornografia infantil é preso suspeito de estuprar o irmão de 7 anos e filmar crime, em Goiás

    Policiais encontraram 5 mil gravações envolvendo crianças nuas no celular do detido. Segundo delegada, menino começou a apresentar transtornos mentais e teve de usar remédios controlados após os abusos.

    A Polícia Civil, por meio da Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Cibernéticos (DERCC), prendeu preventivamente um homem de 33 anos de idade pela prática dos crimes de estupro de vulnerável e por compartilhar e armazenar imagens pornográficas infantis.

    Em abril deste ano, o mesmo homem havia sido preso em flagrante delito pela equipe da DERCC armazenando mais de 5 mil vídeos pornográficos infantis em seu aparelho celular. Ocorre que, poucos dias depois, o autuado recebeu o direito de responder em liberdade. Mas, na continuidade das diligências, a equipe de policiais civis verificou que, dentre as milhares de horrendas imagens contidas no aparelho, constava algumas de um menino que apresentava grande semelhança física com o preso. Foi então que os investigadores comprovaram que aquela criança era irmão do preso e que o homem que aparecia violentando o garoto era o próprio preso.

    A DERCC verificou também que as imagens do abuso sexual teriam sido produzidas pelo próprio investigado, na época em que seu irmão contava com apenas 7 anos de idade. Desta forma, a autoridade policial representou judicialmente pela prisão preventiva do indiciado e, após parecer favorável do Ministério Público, a prisão foi judicialmente deferida.

    O investigado é natural do estado do Pará e foi preso neste domingo (06). “A investigação chamou atenção de toda a equipe da Cibernéticos e deixa o alerta de que a prática de compartilhar e armazenar imagens pornográficas infantis deve ser encarada como algo execrável e inaceitável, pois muitas vezes aquela pessoa pode ser um estuprador e não somente um adorador criminoso de tais imagens”, declara a titular da Dercc, delegada Sabrina Leles.

    Repórter Mari JTI

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
    Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
    Se você se interessou por esse artigo, ao comentar marque a opção publicar também no Facebook.