• Publicado em

    Irmãs queimadas nuas pelo padrasto não sabem que mãe foi morta

    O crime aconteceu no final de outubro em Porto Velho (RO)

    As duas irmãs que foram queimadas nuas no fim de outubro pelo padastro ainda não sabem que a mãe foi morta. As meninas de 5 e 7 anos seguem internadas em Porto Velho por estarem com mais de 30% dos corpos queimados e com queimaduras de 4° grau.

    O estado de saúde das crianãs é estável, segundo o pediatra do Hospital Infantil Comes e Damião, Reginaldo Lourenço. A mais velha já foi retirada da Unidade de Terapia Intensival (UTI) e agora está ao lado da irmã.

    Concorra ao sorteio do valor de R$ 500 reais compartilhe; clique aqui e veja as regras na fanpage do Plantão JTI.

    O médico afirmou que as menores já se encontraram, após a saída da mais velha da UTI de isolamento. “Nós conseguimos propiciar o contato das duas e as colocamos uma do lado da outra. Elas já conversaram e se encontraram, estão estáveis e elas têm noção de tudo que aconteceu. No momento elas são acompanhadas por uma tia”, informou o médico.a mãe delas foi morta pelo padrasto. “Essa parte da abordagem vai ser feita pelo setor de psicologia e de serviço social. Isso vai ser abordado no momento mais oportuno. A gente entende que nesse momento traria muito mais um desconforto”, disse o médico.

    CRIME

    No último domingo de outubro (29), duas irmãs, com idades entre 5 e 7 anos, foram encontradas nuas, com ferimentos e queimaduras graves próximas de uma represa na Zona Rural de Rolim de Moura (RO), na Zona da Mata. As meninas foram socorridas pelo Corpo de Bombeiros. A mãe das crianças foi encontrada morta na segunda-feira (30 de outubro) em uma casa vizinha à residência em que a família morava, em Santa Luzia do Oeste (RO).

    O suspeito do crime, Idair dos Reis Maria, foi encontrado morto dentro de uma mata na terça-feira (31) em Rolim de Moura (RO).


    Via Noticias ao minuto

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
    Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
    Se você se interessou por esse artigo, ao comentar marque a opção publicar também no Facebook.