• Publicado em

    Japonesa morta buscava cura para efeitos de radiação em casa de João de Deus em Goiás

    Hitomi Akamatsu era sobrevivente da tragédia nuclear de Fukushima, em 2011. Em Abadiânia, a japonesa era conhecida por sua conexão com experiências paranormais.

    Hitomi Akamatsu, a japonesa de 43 anos encontrada morta na Casa Dom Inácio de Loyola, em Abadiânia-GO, chegou ao local há cerca de dois anos para se curar de sequelas da exposição à radiação do acidente nuclear da usina de Fukushima, em 2011.

    É o que apontam as investigações. Hitomi estava desaparecida há cerca de duas semanas e teve o corpo encontrado em uma cachoeira que é propriedade da casa Dom Inácio de Loyola. O local é de propriedade de João Teixeira de Faria, o João de Deus, médium condenado a 60 anos de prisão por abusar sexualmente de suas pacientes.

    Pelos arredores da casa, Hitomi era querida e educada, mesmo não conseguindo falar português fluentemente. Os vizinhos a conheciam pela suposta ligação com o acidente de Fukushima e pela conexão com experiências paranormais.

    A oriental chegou a estrelar um documentário em 2013. “Hitomi and the God Particle” (Hitomi e a Partícula de Deus) narra a jornada da japonesa durante um treinamento no Havaí para desenvolver a capacidade de ver lugares ou vivenciar experiências à distância, por meio de habilidades paranormais. O filme chegou a estar disponível no catálogo da Amazon.

    À revista Época, uma holandesa que vive em Abadiânia disse que Hitomi chegou à cidade muito doente, mas se recuperou como tempo. “Depois de um tempo, fizeram um exame e constataram que não tinha mais nada de radiação no corpo dela”, comenta a mulher, que preferiu não ser identificada. “Ela só fazia o bem para as pessoas. Orava por todo mundo.”

    O CRIME

    Segundo a Polícia Civil de Goiás (PCGO), Hitomi foi morta em uma tentativa de assalto cometida por um jovem de 18 anos. A estrangeira estava a caminho da cachoeira onde foi encontrada, quando o suspeito a abordou e tentou roubá-la. Ela teria tentado reagir e acabou sendo estrangulada com uma camisa.

    O suspeito disse à polícia que, depois de atacar Hitomi, levou o corpo dela até uma área de floresta e jogou numa vala, cobrindo-o com pedras, terra e mato. “Quando a gente chegou no barraco onde ele morava, ele disse que já estava esperando”, afirmou um delegado à Época.

    Repórter Mari JTI

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
    Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
    Se você se interessou por esse artigo, ao comentar marque a opção publicar também no Facebook.