• Publicado em

    Lembra da goiana grávida morta por casal em ritual ao diabo? Acusados vai a júri popular

    A vítima de 20 anos, morava em Aparecida de Goiânia (GO) e sob o pretexto de trabalhar no litoral Sul Paulista, após suposta proposta de emprego feita pelos , mudou-se para a residência deles, em Itanhaém,

    No final do ano passado, um crime que aconteceu em São Paulo acabou tendo grande repercussão em todo o país. Na época, uma mulher grávida, Atyla Arruda, de 20 anos, moradora de Aparecida de Goiânia (GO)  foi assassinada em um ritual dedicado a Lúcifer (relembre o caso). Um casal teria cometido o crime. Eles foram identificados como Sérgio Ricardo Re da Mota e Simone Melo Koszegi.

    Na época do crime, a jovem tinha apenas 20 anos. Nesta quarta-feira, 5 de junho, uma novidade sobre o caso veio à mídia. O castigo ao casal que teria feito a magia negra com a técnica em segurança enfim promete chegar. Isso porque a dupla será enviada para júri popular. O caso será julgado no foro de Itanhaém, em São Paulo.

     

    Casal acusado de matar jovem para receber seguro de R$ 260 mil está preso em Mongaguá (SP) — Foto: Arquivo Pessoal

    Leia também: Doações de dentes de leite podem ajudar em pesquisas sobre células tronco; saiba como participar

    De acordo com a decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo, Sérgio e Simone não podem recorrer da decisão em liberdade. Isso porque eles estão presos desde o ano passado, quando o caso veio à tona.

    O Tribunal diz que a manutenção da prisão preventiva é fundamentada para manter a ordem pública.

    A explicação ocorre porque a morte da grávida do ritual de magia negra gerou indignação em todo o estado de São Paulo.

    Manter o casal solto, poderia ser até mesmo perigoso para os dois.

    Leia também: HOTEL THERMAS BONSUCESSO: O ÚNICO HOTEL-FAZENDA COM ÁGUAS THERMAIS DO SUDOESTE GOIANO 

    Na época, o corpo da vítima, Atyla Arruda Barbosa, foi encontrado no mar pelo Corpo de Bombeiros.

    A investigação apontou um homem de 43 anos e uma mulher de 41 anos como suspeitos pela morte da jovem.

    Na residência do casal foram apreendidos documentos, livros e uma adaga — espécie de faca.

    Para a polícia, o casal teria manipulada a grávida e a levado para uma arapuca, onde ela teria sido assassinada.

    Assista ao Jornal Das 11;

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
    Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
    Se você se interessou por esse artigo, ao comentar marque a opção publicar também no Facebook.