• Publicado em

    Mãe e companheira esquartejam menino de 9 anos e colocaram pedaços do corpo dentro de duas mochilas e uma mala

    As suspeitas dividiram o corpo da criança e colocaram dentro de duas mochilas e uma mala
    Agentes da 26° Delegacia de Polícia (Samambaia Norte) do Distrito federal investigam a morte de uma criança de 9 anos. O caso aconteceu na madrugada deste sábado (1/6), na quadra 625 de Samambaia. A mãe Rosana Auri da Silva Cândido, 27 anos, e a companheira dela, Kacyla Priscyla Santiago Damasceno Pessoa, 28 anos, seriam as autoras do crime. Ambas foram presas em flagrante pela Polícia Civil.  As informações são do Correio Braziliense.
    Leia também: Inscrições para o segundo semestre do Fies 2019 começam em junho  
    Rhuan Maycon da Silva Castro dormia, quando foi atingido com uma facada no peito. Em seguida, a mãe da criança atingiu o filho com diversos golpes. O rosto da criança estava desfigurado. As suspeitas tentaram queimar os restos mortais em uma churrasqueira, mas desistiram por causa da fumaça e colocaram em uma mala e em duas mochilas.
    Corpo do menino foi distribuído em uma mala e duas mochilas(foto: Alexandre de Paula/CB/DA press)
    Corpo do menino foi distribuído em uma mala e duas mochilas(foto: Alexandre de Paula/CB/DA press)
    Após o crime, a mulher seguiu com a mala até um bueiro da quadra 425 de Samambaia, onde jogou parte do corpo da criança. Jovens que jogavam futebol no lugar acharam a atitude dela suspeita e apontaram a casa dela ao serem abordados por policiais civis.
    Na residência, em duas mochilas escolares, os policiais encontraram o restante do corpo.
    Premeditado
    De acordo com o delegado adjunto da 26ª DP, Guilherme Sousa Melo, o crime foi planejado. Na véspera, as mulheres compraram a faca utilizada e o carvão para acender a churrasqueira. Ao prestar depoimento, elas confessaram o crime.
    “A mãe afirmou que o menino era a fonte de todos os problemas. Ela o vinculava com o pai, que havia maltratado muito ela. Elas planejaram matá-lo para começar uma vida nova sem ele”, afirmou. As duas mulheres mudaram-se para Brasília há cerca de 2 anos. Elas moravam no Acre e dizem que fugiram justamente porque Rosana, a mãe, sofria abusos e agressões do pai do menino.
     Leia também: Alunos que estudaram em escola integral têm mais chance de passar no vestibular
    Além do menino, uma menina, de 9 anos, morava também morava no local e estava dormindo quando os policiais chegaram. De acordo com o delegado, tudo indica que as agressões começaram antes. Há um ano, elas teriam cortado o pênis do garoto.  O Conselho Tutelar foi acionado para apurar o caso.
    Havia passagens bíblicas pintadas na parede da casa e os investigadores chegaram a suspeitar que pudesse se tratar de um caso de magia negra, mas a apuração não encontrou elementos que pudessem embasar a suspeita.
    Ainda segundo a Polícia, as crianças estavam sem estudar há dois anos e as mulheres não tinham a guarda legal delas.

    Assista ao Jornal Das 11

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
    Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
    Se você se interessou por esse artigo, ao comentar marque a opção publicar também no Facebook.