• Publicado em

    Mãe é condenada por matar filho recém-nascido jogando-o contra a parede e esconder o corpo em um ursinho de pelúcia

    O outro filho nasceu morto no outro dia, pois a gravides era de gêmeos.

    Uma mulher foi presa e condenada a quase três anos de cadeia por assassinar e esconder os cadáveres de seus gêmeos recém-nascidos em um ursinho de pelúcia e num cesto de roupa suja. Com informações 1News.

    Na época do crime, em 2015, a mulher que foi identificada como Jelica S, de 20 anos, estava grávida de 7 meses e morava com a mãe – ela se separou do pai das crianças e decidiu sair de casa.

    Segundo informações dos portais The Sun e Daily Mail, Jelica começou a ter contrações e foi ao banheiro de sua casa com o computador – a intenção era consultar informações na internet para conseguir dar à luz sem a ajuda de médicos. Seguindo as instruções de um site, ela teve o primeiro bebê, mas logo em seguida foi até o porão da casa e o jogou contra a parede.

    Depois do ato brutal, ela embrulhou o bebê em uma camiseta e escondeu o cadáver em um ursinho de pelúcia gigante. A mulher, que agora tem 23 anos, contou ao juiz o que aconteceu e também explicou que naquela época não tinha muita noção sobre como as crianças nasciam.

    No dia seguinte ao homicídio, ela sentiu dor novamente e se trancou no banheiro para dar à luz a outro bebê. Dessa vez, a criança nasceu morta e Jelica envolveu-o em uma toalha e escondeu o filho em uma cesta de roupa suja.

    Horas depois, a jovem foi encontrada por sua mãe. Ela estava inconsciente e tinha perdido muito sangue.

    “Hoje não me lembro como fiz, só me lembro de estar na banheira e pesquisar na internet o que fazer, não sei o que aconteceu”, disse a condenada.

    O psiquiatra da corte explicou que Jelica não era completamente responsável pelos eventos. Ela foi diagnosticada com um ‘distúrbio de adaptação com uma reação depressiva prolongada’.

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
    Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
    Se você se interessou por esse artigo, ao comentar marque a opção publicar também no Facebook.