• Publicado em

    Mãe que torturou e matou o filho com facada no pescoço é condenada a 25 anos de prisão

    Tatiana Lozano Pereira recebeu pena de 25 anos de prisão por homicídio triplamente qualificado. Segundo tio, dias após o crime, em dezembro de 2016, mulher fez churrasco na virada do ano.

    O Tribunal do Júri condenou a 25 anos e 8 meses de prisão em regime fechado a gerente Tatiana Ferreira Lozano Pereira, acusada de matar o próprio filho, Itaberli Lozano , de 17 anos. O crime ocorreu na cidade de Cravinhos, no interior de São Paulo, em 2016.

    Leia também: Black Friday Educação: descontos continuam até segunda-feira (02)

    Na ocasião, o crime chocou o país. O adolescente, que morava com a avó para evitar os episódios de violência que sofria pela mãe devido ao fato de ser gay. No dia do assassinato, Itaberli foi atraído por ela à sua casa sob o pretexto de fazer as pazes. Lá, o jovem foi torturado em sessão de espancamento e golpeado com facadas no pescoço.

    Além da mãe, outros dois condenados e um adolescente de 16 anos participaram do crime, além do padrasto do rapaz, que ajudou na ocultação do corpo. De acordo com a polícia, o cadáver foi levado a um canavial e incendiado.

    Dias antes do crime, o filho havia feito uma denúncia formal sobre as agressões que sofreu da mãe, que não aceitava o fato de ele ser gay. Os outros dois envolvidos no crime, Victor Roberto da Silva e Miller da Silva Barissa, foram condenados, cada um, a 21 anos e 8 meses de reclusão. As defesas vão entrar com recursos.

    “Além de ela matar o filho, atear fogo ao corpo do filho, ela comemorou o ano novo, porque foi, bem dizer, na véspera do ano novo [o crime]. Fazer churrasco sabendo que o filho estava morto no canavial? É uma pessoa que não tem coração”, diz Dario Gabriel Rosa tio da vítima.

    Tatiana Ferreira Lozano

    Fonte: Último Segundo 

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
    Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
    Se você se interessou por esse artigo, ao comentar marque a opção publicar também no Facebook.