• Publicado em

    Mãe suspeita de matar bebê e queimar corpo em Goiânia chega sorrindo em audiência de custódia

    Mulher negou que tenha matado filha de 1 ano com golpes de marreta e recusou advogada contratada pela família.

    De acordo matéria do G1 GO, a  mãe do bebê de 1 ano que morreu e depois teve o corpo carbonizado dentro de casa, em Goiânia chegou sorrindo na audiência de custódia realizada nesta sexta-feira (22).

    O juiz Eduardo Pio Mascarenhas decidiu em manter a sua prisão. A Polícia Civil investiga se ele cometeu o crime para se vingar do ex-marido, com quem queria reatar o casamento.

    O corpo da criança foi encontrado na quinta-feira (21), carbonizado, dentro de uma piscina de plástico, sob entulhos na casa onde morava com a mãe e o irmão.

    Durante a audiência, a mulher negou que tenha matado a filha com golpes de marreta. Ela pediu para ser ouvida, mas, como se trata de uma audiência de custódia, o pedido não foi atendido. Por isto, ela não quis assinar a ata da sessão.

    Leia também:  Após 15 dias internado, vítima de acidente em rodovia de Jataí morre no hospital

    A suspeita também não quis ser representada pela advogada contratada pela família. Por isto, a assessoria do juiz teve de acionar o defensor público Jaime Rosa Borges Júnior, que pediu a soltura dela.

    Por sua vez, o promotor de Justiça Sebastião Marcos Martins solicitou que a prisão em flagrante fosse convertida em preventiva, pedido foi acatado pelo magistrado. Ela deve ficar detida na Casa de Prisão Provisória (CPP).

    “A liberdade da autuada atenta contra a ordem pública e repercute de maneira danosa e prejudicial ao meio social em que vivemos. Em liberdade, poderá encontrar o mesmo estímulo para a prática delituosa”, disse o juiz.

    Mascarenhas também considerou a suspeita de que a mulher dá drogas para os filhos. Inclusive, conforme o registro da prisão, o outro filho dela, de 12 anos, “estava no local aparentemente dopado, atônito, sob suspeita de estar sob efeito de drogas”.

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
    Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
    Se você se interessou por esse artigo, ao comentar marque a opção publicar também no Facebook.