• Publicado em

    MDB de Goiás não vai sofrer intervenção, Daniel Vilela fica no comando, diz Jornal

    Senador Luiz Carlos do Carmo, por ser mais ligado a Ronaldo Caiado do que ao MDB, não vai assumir a direção do partido

    Repórter do Jornal Opção conversou com dois próceres nacionais do MDB e fez três perguntas: 1 — Daniel Vilela pode ser destituído do comando do partido em Goiás?; 2 — O prefeito de Catalão, Adib Elias, voltará ao MDB? 3 — O senador Luiz Carlos do Carmo pode assumir a direção do partido no Estado?

    Leia também: Aplicativos de tradutor inglês para português são aliados  na hora do aprendizado; confira algumas opções 

    A resposta para a primeira pergunta é “não”. Daniel Vilela permanece no comando do MDB em Goiás e não será destituído. Nem se discute isto no plano nacional. O presidente do MDB em Goiás é visto como leal e como ligado à cúpula nacional do partido.

    Adias Elias: fora do MDB em definitivo | Foto: Fernando Leite/Jornal Opção

    Leia também: IF Goiano divulga edital para intercâmbio docente em Portugal  

    A resposta para a segunda pergunta é “não”. Adias Elias, que não tem presença alguma na política nacional — que é o que interessa à cúpula — não voltará ao partido. O fato de ter apoiado um candidato a governador que é do DEM, quando o MDB tinha candidato, é visto como deslealdade máxima. Se alguém estiver dizendo que terá chance de retornar ao partido, Adib Elias deve duvidar de suas palavras, porque está faltando com a verdade. Político decente, o prefeito de Catalão não merece ser enganado ou iludir-se. O presidente do Podemos, José Nelto, está certo: “Adib tem se filiar logo a outro partido e dizer ‘adeus’ ao MDB. Pois o partido há lhe disse ‘adeus’. O Podemos está de braços abertos para recebe-lo”.

    Luiz Carlos do Carmo, senador, não assume o controle do MDB | Foto: Reprodução

    A resposta para a terceira pergunta é “não”. O senador Luiz Carlos do Carmo tem um cargo importante, que conta muito em Brasília. Mas é visto pela cúpula do MDB nacional como leal não ao partido, e sim ao governador de Goiás, Ronaldo Caiado, que pertence ao DEM. Em 2018, no lugar de apoiar Daniel Vilela para governador, ficou com Ronaldo Caiado — o que poderá se repetir em 2022. Entre quem “é” MDB, no caso Daniel Vilela, e quem “está” no MDB, como Luiz Carlos do Carmo, a cúpula fica com o primeiro.

    Se você verificar informação diferente noutro jornal saiba: é fofoca, não é a verdade. A verdade está nas linhas acima. Daniel Vilela continuará na presidência do MDB.

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
    Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
    Se você se interessou por esse artigo, ao comentar marque a opção publicar também no Facebook.