• Publicado em

    MP GO aciona colégios militares por cobrança de mensalidades

    Colégios militares em Goiás estão ligados à rede pública de ensino

    De acordo Assessoria de Comunicação Social do MP-GO, o Centro de Apoio Operacional da Educação (CAO Educação) do Ministério Público de Goiás encaminhou a todos os promotores do Estado ofício circular informando sobre uma recomendação conjunta expedida pelo MP-GO e o Comando de Ensino da Polícia Militar de Goiás aos diretores das escolas militares, que busca impedir que as escolas cobrem taxas pelos serviços educacionais prestados.

    Na recomendação, o MP relata que tem recebido inúmeras denúncias de que os Colégios Estaduais da Polícia Militar estariam cobrando taxas de matrícula ou mensalidades, além de constranger alunos inadimplentes. O documento conjunto salienta que essas cobranças são ilegais e abusivas à luz da Constituição do Estado de Goiás, que prevê expressamente a gratuidade do ensino público em estabelecimentos oficiais.

    Leia também: Não tinha barriga até no 9º mês, mas um detalhe fez a barriga aparecer e a gravidez ser descoberta 

    Além não cobrar as taxas, os colégios também deverão afixar, em lugar visível, aviso reforçando o caráter voluntário da contribuição às associações de pais, mestres e funcionário e a gratuidade dos serviços prestados pela instituição.

    Assinam o documento o comandante de Ensino da PM, coronel Anésio Barbosa da Cruz Júnior e os promotores Maria Bernadete Ramos Crispim, Carla Brant Corrêa Sebba Roriz, Manuela Botelho Portugal, Camila Fernandes Mendonça, Melissa Sanchez Ita, Cláudio França Magalhães, Angela Cristina dos Santos, Mário Henrique Cardoso Caixeta, Angela Cristina dos Santos, Steve Gonçalves Vasconcelos e Diego Osório da Silva Cordeiro.

    Decisão do STF

    É ressaltado no ofício que a decisão tomada pelo Supremo Tribunal Federal, no dia 24 de outubro deste ano, que prevê a manutenção de normas que preveem contribuição obrigatória de alunos matriculados em colégios militares, não se aplica às escolas de rede pública estadual de ensino e, sim, às unidades de ensino que integram o sistema de ensino militar, voltado à formação de quadros do Exército brasileiro. (Texto: Ana Clara Morais – Estagiária – Supervisão: Ana Cristina Arruda)

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
    Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
    Se você se interessou por esse artigo, ao comentar marque a opção publicar também no Facebook.