• Publicado em

    Padres suspeitos de desviar doações de igrejas são presos em Goiás

    O bispo de Formosa, Dom José Ronaldo, quatro padres e um monsenhor são alvos de operação do Ministério Público de Goiás

    O Ministério Público de Goiás (MPGO) deflagrou nesta segunda-feira (19/3) a Operação Caifás, para desarticular uma associação criminosa que atuava desviando recursos de igrejas católicas do Entorno do DF, entre elas Formosa e Planaltina de Goiás.

    Os recursos eram provenientes de dízimos, doações, taxas como batismo, casamento, entre outras, e de arrecadações festivas de dinheiro proveniente de fiéis. O prejuízo estimado é de mais de R$ 2 milhões.

    Os alvos são lideranças religiosas ou administrativas ligadas às igrejas. Ao todo estão sendo cumpridos 13 mandados de prisão e 10 de busca. O bispo de Formosa, Dom José Ronaldo, quatro padres e um monsenhor foram presos.

    As investigações se iniciaram após o Ministério Público ter recebido denúncias de apostolados leigos (fiéis) dando conta que os desvios haviam sido iniciados em 2015.

    Acionado, o MP apurou as denúncias e iniciou a operação. Os promotores e policiais cumprem os mandados em residências, na cúria da Diocese de Formosa, em paróquias de outras cidades, e também em um mosteiro.

    Foram apreendidas caminhonetes da cúria de Formosa em nomes de terceiros, além de uma grande quantia de dinheiro em espécie, cujo valor ainda não foi divulgado.

    A operação tem a coordenação dos promotores de Justiça Fernanda Balbinot e Douglas Chegury e conta com a atuação de mais dez promotores, com apoio do Centro de Inteligência (CI) do MPGO, do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Entorno do Distrito Federal, do Gabinete de Segurança Institucional (GSI-MP), além da Polícia Civil e da Polícia Militar. Fonte/Metrópoles 

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
    Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
    Se você se interessou por esse artigo, ao comentar marque a opção publicar também no Facebook.