• Publicado em

    Pai mata homem que se masturbava para filha; corpo é amarrado e carregando em carrinho de mão na PB

    De acordo com a Polícia Civil, o suspeito escreveu no peito da vítima a palavra 'estuprador'; o homem confessou todo o crime, que ocorreu no bairro Mário Andreazza, em Bayeux, na Grande João Pessoa

    Um servente de pedreiro, de 41 anos, foi preso em flagrante quando transportava o corpo de um homem em um carrinho de mão pelas ruas do bairro Mario Andreazza, em Bayeux, na Região Metropolitana de João Pessoa, nesse domingo (27). O suspeito confessou a autoria do assassinato e disse que matou porque o homem se masturbava para a filha dele. No corpo da vítima tinha a palavra: ‘estuprador’. Na localidade fazia um ano que não tinha registro de homicídio.

    De acordo com o delegado Pedro Ivo, chefe do Núcleo de Homicídios de Bayeux, a Polícia Militar fazia rondas pelo Mario Andreazza quando se deparou com um grupo de cerca de 10 pessoas caminhando com um corpo dentro de um carrinho de mão, com os pés amarrados com fios. “As pessoas quando viram a viatura uma delas atirou contra os policiais da Rotam, que revidaram ao ataque. Os suspeitos correram e apenas o servente de pedreiro foi preso e confessou a autoria do crime”, disse.

    Veja também:  Vídeo mostra jogadores da Chapecoense dentro do avião minutos antes do voo do trágico acidente

    Na delegacia, o suspeito revelou que o homem estava se masturbando para uma menina de 6 anos em um sítio. A criança seria filha do suspeito, que ao saber do caso, se armou com um pedaço de madeira e conseguiu efetuar vários golpes nas contas do homem, que caiu desacordado. Ainda segundo o preso, após matar a vítima, o corpo seria jogado em um lixão do bairro.

    A Polícia Civil constatou que o homem morto tinha a palavra ‘estuprador’, que foi escrita no peito com batom. “A vítima estava fora do bairro há algum tempo por ter fama de estuprador. Nesse domingo (27), o servente de pedreiro voltou e foi morto”, falou o delegado Pedro Ivo, que acrescentou que o bairro Mario Andreazza estava há um ano sem registro de assassinato, depois que as forças de segurança conseguiram prender alguns dos envolvidos em crimes e ocuparam a área. .

    O homem preso em flagrante foi levado para a Delegacia de Homicídios de João Pessoa. Ele foi apresentado na audiência de custódia nesta segunda-feira (28). O corpo foi levado para a Gerência Executiva de Medicina e Odontologia Legal (Gemol), no bairro do Cristo Redentor, em João Pessoa, para ser periciado. Com informações TV Cariri

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
    Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
    Se você se interessou por esse artigo, ao comentar marque a opção publicar também no Facebook.