• Publicado em

    Pai que matou o filho por medo de perder o emprego tinha vontade de matar toda a família, diz delegado

    Pai que matou o filho por medo de perder o emprego tinha vontade de matar toda a família, diz delegado

    O vigilante suspeito de matar o próprio filho de dois anos em Rio Branco do Sul, na região metropolitana de Curitiba (PR), por medo de perder o emprego, havia relatado à mulher que tinha vontade de matar toda a família (relembre o caso).

    O suspeito também pesquisou formas fáceis de cometer suicídio.

    O delegado Hertel Rehbein, da Delegacia de Rio Branco do Sul, disse ao R7 que, no domingo (15), Daniel Pereira Aires, de 43 anos, falou com a mulher que havia tido a ideia de matar ela e o filho (foto). O homem disse que queria bater o carro embaixo de um caminho para acabar com o sofrimento dela e da criançaO delegado Hertel Rehbein, da Delegacia de Rio Branco do Sul, disse ao R7 que, no domingo (15), Daniel Pereira Aires, de 43 anos, falou com a mulher que havia tido a ideia de matar ela e o filho (foto).

    O homem disse que queria bater o carro embaixo de um caminhão para acabar com o sofrimento dela e da criança.

    A revelação foi feita durante o aniversário de churrasco da sogra de Aires. Logo depois, ele disse para a mulher que precisava pegar uma boina na portaria de onde ele trabalhava. A mulher teria insistido para ir junto, mas o marido não permitiu e levou apenas o menino.

    De acordo com a polícia, Aires saiu de carro o filho e levou para a área rural da cidade, distante cerca de 40 km do centro. Ele tentou afogar o menino em um lado. Como a criança se debatia muito, Aires desistiu do afogamento, retirou o filho da água. Em seguida, o asfixiou e o estrangulou. O corpo da criança foi deixado dentro do carro, no meio do matoDe acordo com a polícia, Aires saiu de carro o filho e levou para a área rural da cidade, distante cerca de 40 km do centro. Ele tentou afogar o menino em um lago. Como a criança se debatia muito, Aires desistiu do afogamento, retirou o filho da água. Em seguida, o asfixiou e o estrangulou. O corpo da criança foi deixado dentro do carro, no meio do mato.

    No dia seguinte, o vigilante pediu ajuda em uma UPA (Unidade de Pronto Atendimento), dizendo que havia sido assaltado e que os bandidos tinham sequestrado Erick.

    As versões apresentadas eram confusas. Aires não sabia ao certo o número de bandidos, por exemplo. Durante as buscas, ele confessou dizendo que as crianças sofrem neste mundo e que ele amava muito o filho dele.

    Ainda segundo o delegado, o homem pesquisou na internet 11 formas fáceis de cometer suicídio. A pesquisa foi apagada do histórico de navegação entre segunda-feira (16) e terça-feira (17), quando o menino já estava morto.

    Aires está detido na Delegacia de Rio Branco do Sul, em uma carceragem isolado dos demais presos, e não recebeu visitas. A Justiça decretou prisão temporária de 30 dias.

    Segundo o delegado Rehbein, todo mundo será investigado, já que a investigação não acabou.
    — Ele [Aires] é o autor do crime. Ele cometeu todos os atos executórios do crime de homicídio qualificado. Mas vamos investigar se, nos atos preparatórios, ele recebeu auxílio de alguém.

    Conhecidos disseram que Aires era um homem aparentemente tranquilo. De acordo com o delegado, ele não tinha passagem pela Justiça e era um bom pai.

    O homem é casado há sete anos e tinha<br />
apenas Erick como filho. Aires será transferido para um presídio mais indicado<br />
para a situação dele, uma vez que corre risco de morte se ficar junto com<br />
outros presos.Erick foi sepultado ao lado do túmulo da avó, morta há um anoExperimente: todos os programas da Record na íntegra no R7 Play

    O homem é casado há sete anos e tinha apenas Erick como filho. Aires será transferido para um presídio mais indicado para a situação dele, uma vez que corre risco de morte se ficar junto com outros presos.
    Erick foi sepultado ao lado do túmulo da avó, morta há um ano.

    O vigilante suspeito de matar o<br />
próprio filho de dois anos em Rio Branco do Sul, na região metropolitana de<br />
Curitiba (PR), por medo de perder o emprego, havia relatado à mulher que tinha<br />
vontade de matar toda a família. O suspeito também pesquisou formas fáceis de<br />
cometer suicídio

     

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
    Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
    Se você se interessou por esse artigo, ao comentar marque a opção publicar também no Facebook.