• Publicado em

    Período de renegociação da dívida do Fies começa hoje (29)

    É a primeira vez que o CG-Fies autoriza essa possibilidade para os inadimplentes.

    Estudantes que estão em débito com o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) terão a oportunidade de fazer a renegociação da dívida. Os inadimplentes com o programa, que firmaram contratos até o segundo semestre de 2017, podem a partir de hoje, 29 de abril, junto ao banco colocar as parcelas em dia. Atualmente, o programa soma mais de R$ 10 bilhões em dívidas.

    Essa ação foi autorizada pelo Comitê Gestor do Fies (CG-Fies). Esta é a primeira vez que os beneficiários podem renegociar com o banco. Antes, o não pagamento de alguma parcela do financiamento só poderia ser quitado à vista.

    Leia também: Olimpíada de Língua Portuguesa recebe inscrições até o próximo dia 30 de abril  

    Podem solicitar a renegociação quem estiver com atraso mínimo de 90 dias da fase de amortização. São duas as formas de pagamento por reescalonamento ou novo parcelamento. Mas, o estudante terá de pagar uma parcela de entrada, em espécie, correspondente a 10% do valor consolidado da dívida em atraso ou no valor de R$ 1 mil, o que for maior.

    Financiamento estudantil para graduação

    O Fies é um financiamento estudantil ofertado pelo governo federal que permite uma espécie de empréstimo. Os estudantes contemplados com o benefício podem cursar a graduação sem se preocupar com as mensalidades, que devem ser pagas somente após a conclusão do curso.

    Para participar do processo seletivo do Fies é preciso ter feito alguma edição a partir de 2010 do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), obter uma média igual ou superior a 450 pontos na soma das provas objetivas e nota superior à zero na redação. Além disso, a renda familiar per capita mensal não pode ser mais que três salários mínimos para modalidade Fies e nem maior que cinco para modalidade do P-Fies.

    Fonte: Agência Educa Mais Brasil
    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
    Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
    Se você se interessou por esse artigo, ao comentar marque a opção publicar também no Facebook.