• Publicado em

    Primos são condenados por matar jovem após ‘teste de fidelidade’

    Jovem de 17 anos foi morta a facadas em um suposto teste de fidelidade.

    Dois primos foram condenados pelo Tribunal do Júri em Cerejeiras (RO) por terem matado uma jovem de 17 anos em um ‘teste de fidelidade’. Eles também ocultaram o corpo da vítima. As informações são do Correio do Povo.

    O julgamento do caso durou dois dias. Ismael José da Silva, namorado de Jéssica Moreira Hernandes na época do crime, foi condenado a um ano de reclusão e 10 dias multa por ocultação de cadáver. Ele ainda pode recorrer e cumprir a pena em liberdade. O primo dele, Diego de Sá Parente, foi condenado a 18 de reclusão por homicídio qualificado e mais um ano também por ocultação de cadáver. Ele não tem o direito de recorrer da decisão em liberdade. A pena inicial será cumprida em regime fechado.

    Os condenados pretendem recorrer da decisão.

    O Ministério Público de Rondônia (MP-RO) pediu a condenação de Ismael e Diego por homicídio com quatro qualificadoras: motivo torpe, feminicídio, recurso que impossibilitou a defesa da vítima e meio cruel. O órgão concordou com a versão concluída pela Polícia Civil durante as investigações, onde apontam que Ismael cometeu o crime e Diego auxiliou o primo. Além disso, diz que ambos ocultaram o corpo da jovem.

    Jéssica foi morta a facadas em um suposto teste de fidelidade em abril de 2017. A garota foi encontrada morta na Linha 4, zona rural de Cerejeiras. Ismael era considerado ciumento e estava desconfiado da infidelidade da companheira. Ele chamou o primo, Diego, para fazerem um teste de fidelidade com a garota. Quando a jovem confessou que havida traído o namorado, ele a atacou com um pedaço de madeira e  golpes de faca.

    Diego e Ismael embalaram o corpo, amarraram e colocaram no veículo. Ismael pegou a bolsa e o celular da garota e Diego ficou responsável por limpar os vestígios de sangue da casa e por se livrar da bicicleta.

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
    Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
    Se você se interessou por esse artigo, ao comentar marque a opção publicar também no Facebook.