• Publicado em

    “Reedificações”: em livro, brasileiras contam histórias de superação

    A coletânea aborda experiências vivenciadas por mulheres que conseguiram ultrapassar barreiras

    Para muitas pessoas, enfrentar problemas e encontrar uma solução para os desafios do cotidiano não é uma tarefa fácil, principalmente quando envolve empecilhos financeiros. Esse exemplo ilustra a realidade da brasileira radicada na Itália há oito anos, Farah Serra. Sem conseguir emprego, ela criou uma rede com mulheres que precisavam reinventar-se assim como ela. Com isso, surgiu a coletânea Reedificações – História de Mulheres Brasileiras que se reinventaram pelo mundo.

    “O meu processo de reinvenção e reedificação, além de ter sido involuntário, foi muito dolorido e solitário. Depois de alguns anos, conheci alguns grupos no Facebook e me dei conta de que havia muita mulher vivenciando o mesmo que eu. Então, me veio a ideia de reunir algumas dessas histórias em um livro”, conta a idealizadora do projeto.

    Vivendo no Brasil, Farah trabalhava em uma associação de Turismo na função de Gerente de Projetos, Comunicação e Relacionamento. Entretanto, a vontade de acompanhar o marido na Itália trouxe novos desafios, o que incluiu a recolocação profissional. “Para lá da realização pessoal, imaginava que ali conseguiria expandir a minha carreira dando um super up nela com uma experiência profissional internacional, mas isso não aconteceu”, diz Farah.

    Leia também: Ensino integral é aposta do MEC para a educação básica em 2020 

    Em um determinado momento, através de uma publicação nas redes sociais, mais de 100 mulheres demonstraram interesse em compartilhar suas histórias de reinvenções e, a partir de um financiamento coletivo, a coletânea reuniu histórias de 33 brasileiras que moram em diferentes países.

    Uma das participantes vive na Turquia. Regiane Valadares compartilhou a sua história para motivar e incentivar outras mulheres que passaram por situação semelhante à dela. “Pouco antes de sair do Brasil, tive uma grande perda: meu avô, e isso me deixou muito abalada. Achei que era uma fase para mudar. Estudei Enfermagem há mais de 20 anos para cuidar dos meus avôs e, assim, iniciei a mudança de área”, declara Regiane.

    Ainda com o mesmo objetivo de fortalecer uma rede de apoio entre mulheres, a baiana Rita Queiroz também faz parte da coletânea planejada por Farah.

    Doutora pela Universidade de São Paulo (USP), a professora universitária contou a história de uma paraibana que foi morar em São Paulo, onde sofreu discriminação por causa do nome (Sebastiana) e sotaque. Contudo, a personagem foi estudar na USP, se destacou e virou diretora multinacional no exterior. A partir do trabalho, começou a ajudar organizações no Nordeste que investem em Educação. “Sei da importância da educação para muita gente, principalmente para os menos favorecidos”, afirma Rita.

    Apesar das dificuldades enfrentadas e obstáculos ao longo da vida, é importante estabelecer metas e fortalecer o desejo de mudanças. Essa é uma filosofia adotada por muitas pessoas em todo início de ano “Toda mulher tem uma capacidade nata de se reinventar, faz parte da natureza humana. Você só precisa se informar e encontrar a sua rede de apoio. Sozinha você também conseguirá, mas será mais difícil. O meu conselho é o de não complicar ainda mais a sua travessia”, finaliza Farah.

    Fonte: Agência Educa Mais Brasil
    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
    Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
    Se você se interessou por esse artigo, ao comentar marque a opção publicar também no Facebook.