• Publicado em

    Sete são presos por envolvimento em homicídio em Catalão

    A 1ª Delegacia de Catalão, com apoio da Unint/9ª DRP, realizou, no dia 17 de dezembro, a Operação Copacabana, que visou a elucidação de um crime de homicídio ocorrido em novembro do corrente ano, em Catalão. Na oportunidade, policiais civis da 9ª DRP/Catalão, da 1ª e 2ª delegacias, Grupo de Repressão a Narcóticos (Genarc) e delegacias de Ipameri, Pires do Rio, Goiandira, Cumari e Campo Alegre, cumpriram sete mandados de prisão temporária e 11 de busca domiciliar.

    De acordo com as investigações, o crime ocorreu em 23 de novembro, no Residencial Copacabana, no Bairro Copacabana. Na ocasião, a vítima, Murilo Bruno Pires Alves, de 20 anos, foi morta a tiros dentro do apartamento, por dois indivíduos.

    Na operação, foram presos Anderson Henrique de Freitas Monteiro, Geovanna Camargo Borges, Daniela Borges, Cícera Andreia Rosa de Lara, Sidnei Borges, Sandra Cristina Queiroz e Marcelo Jeremias Francisco. Outro investigado, Naysson Rizza, foi preso em flagrante delito no dia 14 de novembro, em Araguari/MG, por porte ilegal de arma de fogo e receptação e terá o mandado expedido contra ele cumprido oportunamente.

    De acordo com o apurado, Anderson e Naysson são os executores do homicídio, enquanto os demais são coautores e partícipes do crime. Durante as buscas foram apreendidas na residência do investigado Naysson, carregador e munições intactas calibre .380 e dezenas de objetos produto de furto a residências, como eletrônicos e eletrodomésticos.

    Os presos foram interrogados, sendo que parte dos envolvidos confessou suas participações no crime de homicídio, e se encontram no presídio da cidade à disposição da Justiça. Segundo o delegado Vítor Magalhães, titular do 1º DP, que coordenou a investigação, há elementos para indiciamento dos envolvidos e será pedida a conversão das prisões temporárias em preventivas.

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
    Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
    Se você se interessou por esse artigo, ao comentar marque a opção publicar também no Facebook.