• Publicado em

    Vale revela mistério de Brumadinho e número de mortos aumenta

    Assista ao vídeo.

    Chegou a 121 o número de mortos encontrados em Brumadinho, MG, após o estouro da barragem da mina do Córrego do Feijão na última semana. A informação foi atualizada na tarde deste sábado (02/02), de acordo com o Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais. Outra informação importante a respeito do momento do estouro da barragem foi revelada pela mineradora Vale, responsável pela tragédia que assolou a região mineira.

    Segundo a empresa, o mistério da presença de funcionários seus no momento do desabamento da barragem em cima do terreno que cobria a área em risco pode ser explicado.

    A Vale esclareceu, por meio de nota oficial, que a visita de pessoas à área não era algo de rotina e foi vista como incomum para o momento em que o terreno cedeu e se tornou uma avalanche de rejeitos de minério e lama.

    Assista abaixo:

    Empresa diz que não havia nada de errado

    Por conta disso, foi levantada a hipótese dos funcionários estarem fazendo uma inspeção para constatar que havia risco de desabamento da barragem de Brumadinho, após constatada alguma anormalidade.

    A Vale disse na nota que os funcionários estavam fazendo um “procedimento básico de segurança e manutenção da estrutura” da barragem de Brumadinho.

    “”Uma das atividades executadas era a coleta de dados para atender ao cumprimento de requisitos legais, como determina a própria Agência Nacional de Mineração. É importante ressaltar que a Barragem I não estava em obras”, diz o texto enviado pela assessoria de imprensa da empresa.

    Na área que aparece no vídeo, vários funcionários caminhavam, mas não é possível identificar o que faziam. Quando a terra desaba, muitas pessoas correram e algumas poucas se salvaram.

    “”Trata-se, portanto, de procedimento rotineiro, utilizado em todo o mundo. No caso específico da Barragem I, além dos drenos já existentes, em 2018 foram instalados drenos adicionais, como medidas complementares antes do início do processo de descomissionamento. Cabe lembrar que se tratavam de medidas preventivas, dado que os laudos técnicos indicavam a total estabilidade da estrutura”, acrescenta a nota.

    A área filmada era de acesso restrito e, com o desastre, apenas a gravação do momento exato do desabamento da barragem se salvou. Via 1 News

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
    Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
    Se você se interessou por esse artigo, ao comentar marque a opção publicar também no Facebook.