• Publicado em

    Vídeo: Sequestradora inventou gravidez para a família, diz tia

    O caso se parece com o de Vilma Martins, a mulher que sequestrou Pedrinho no Hospital Santa Lúcia, na Asa Sul, em 1986. Vilma também simulou estar grávida. Pedrinho foi encontrado em 2002, em Goiânia.

    De acordo o site Metrópoles, a  mulher suspeita de levar o bebê do Hospital Regional da Asa Norte (Hran) em Brasília,  simulou estar grávida para a família. A informação foi repassada por uma tia da mulher, que esteve na Delegacia de Repressão a Sequestros (DRS), na manhã desta quarta-feira (7/6). A suspeita inclusive estaria usando uma barriga falsa. Fazia pré-natal, mas não mostrava os exames.

    Conforme o Metrópoles antecipou na noite de terça, a sequestradora é Gesianna de Oliveira Alencar, 25 anos. A reportagem divulgou, inicialmente, apenas as iniciais da acusada, para preservar a integridade física do recém-nascido, de apenas 13 dias.

    Os policiais procuraram, desde a tarde desta terça, a mulher em dois endereços, no DF e em Unaí (MG). Gesianna foi presa em casa, na QE 38 do Guará. Ela estava com o bebê nos braços quando a polícia bateu à sua porta na manhã desta quarta. A mulher é estudante de enfermagem. Por volta das 10h40, ela chegou à Delegacia de Repressão a Sequestros, no Setor de Garagens Norte. Estava com o rosto coberto.

    Segundo a tia, que não quis se identificar, Gesianna falou que estava grávida. Nessa terça (6), o marido saiu para passear com os cachorros e, quando voltou para casa, a mulher disse que estava passando mal. Foi para uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) e mandou a foto do bebê para a família, como se o filho houvesse nascido.

    A tia disse que a fotografia foi inclusive compartilhada por ela no grupo da família. Segundo a mulher, todos da família se convenceram de que a mulher estava grávida. Inclusive fizeram chá de bebê para a criança.

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
    Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
    Se você se interessou por esse artigo, ao comentar marque a opção publicar também no Facebook.